Seu poço artesiano está produzindo areia? Saiba o que fazer.

Se atuássemos no cinema, certamente a produção de areia em poços artesianos seria um dos temais mais explorados para arrancar os gritos e espalhar o terror na plateia.

Digno de atenção, esta situação deve ser precedida de uma avaliação da origem exata do problema, pois pode revelar a necessidade de uma intervenção imediata em seu poço.

Geralmente, o fato de um poço estar produzindo areia está ligado a algum problema, seja ele estrutural como, por exemplo, o rompimento de algum ponto da secção filtrante, furos na coluna de revestimento; ou a problemas construtivos, como falta do uso de centralizadores no momento da completação do poço, não respeitar a recomendação mínima de manter ao menos três polegadas de espaço anular entre a perfuração e a coluna de revestimento, a criação de “pontes” de pré-filtro ao longo da coluna de revestimento (quando há posições de filtros que ficaram sem o preenchimento completo de pré-filtro), não efetuar a contento as etapas de desenvolvimento do poço, entre outras.

Resumindo, a produção de areia é algo indesejável para quem depende de águas subterrâneas.

Não enfrentar este problema de forma rápida pode lhe trazer prejuízos constantes, ou até o colapso de sua fonte alternativa de água.

Se seu poço encontra-se nesta condição, você deve agir rápido.

Primeiro passo:

  1. Verifique o histórico de seu poço e tente identificar quando foi o inicio do problema.
  2. Tenha em mãos o relatório final construtivo do poço.
  3. Procure um profissional que tenha experiência comprovada em recuperação de poços artesianos para te assessorar (podemos te ajudar com isso).
  4. Faça um teste de produção de areia para mensurar qual o volume de sólidos.

Uma das formas de se aferir a produção de areia em poços artesianos é com o uso de um equipamento chamado “medidor de areia tipo centrifugo”.

Consiste de um equipamento de fácil instalação e que fornece uma aferição precisa e conclusiva. Veja abaixo como funciona:

medidor001

Foto 01: Medidor de teor de areia centrifugo. Fonte: Manual de operação e manutenção de poços artesianos (DAEE).

Modo de operação:

  • o aparelho deve ser instalado a uma distância mínima equivalente a 5 vezes o diâmetro do tubo de descarga a partir de qualquer estrangulamento ou válvula.
  • abra a válvula (1) e regule a descarga do medidor, através da válvula (2), de modo a manter constante uma vazão de 2 litros por minuto.
  • feche a válvula (1), retire o tubo graduado, limpe e coloque de novo.
  • abra a válvula (1) e passe a fazer leituras do volume de areia de 10 em 10 minutos; faça pelo menos 3 leituras.
  • tire a média dos valores medidos no tempo correspondente, em cc/min.
  • o teor de areia em ppm é calculado assim: valor (ppm) = valor (cc/min.) x 500
  • cuide para que a vazão do medidor mantenha-se constante; ao final da operação, faça a medida da vazão do poço.

20170725_142038

Foto 02: Exemplo de instalação do equipamento em um tubo de orifício calibrado.

Procure efetuar leituras em diversos pontos para identificar o volume de areia (PPM) em função da vazão.

Com base no teste de produção de areia é que será possível avaliar qual a alternativa mais apropriada para a mitigação do problema levando em conta os custos envolvidos.

Se você está passando por esta situação, entre em contato comigo (clicando aqui) para avaliarmos a melhor alternativa, corrigir e prolongar a vida útil de sua obra de captação subterrânea.

Dica: ao identificar a produção de areia em seu poço, imediatamente feche o registro do cavalete (diminua a vazão do poço), deixando passar apenas a vazão que não provoque o arraste de areia e procure ajuda de uma empresa/profissional imediatamente. Não agir neste momento pode levar a queima do conjunto motobomba, o entupimento da rede de adução ou outras danosas consequências.

Em meu blog você encontra mais informações sobre este e outros assuntos.

Trabalho com foco no monitoramento e preservação dos recursos hídricos, para que você possa contar com sua obra sempre!

Espero poder ajudar mais! Um abraço.

Eng. Fernando Mancini de Oliveira

Tags